Em tempos de pandemia de Covid-19, a presença digital dos músicos e artistas em geral é importante para divulgar trabalhos e manter contato com o público.

Nesses dias incertos que nós vivemos por causa do COVID-19, quando não se sabe quando nós, músicos, poderemos tocar um show ao vivo de novo, e o público não tem previsão de poder assistir a próxima apresentação, a presença digital do artista acaba se tornando cada vez mais importante.
Logo antes de toda essa loucura de coronavírus se instalar e durante o processo de lançamento do último single da minha banda, no mês de março, conversava com um colega do meu serviço sobre uma campanha de Pre-Save para divulgar nosso trabalho e, por sua vez, sobre a importância e o “peso” das plataformas de streaming.
“É, meu, os números e o desempenho nas plataformas dão uma visibilidade maior para o artista”, disse para ele. “Não adianta baixar nossas músicas e escutar no pen drive. Ninguém vai saber que você nos escutou.”
“Entendi”, me respondeu ele, balançando a cabeça: “Basicamente, colocar no pen drive é como se fosse engavetar o artista.”
A última frase que ele falou ficou na minha cabeça e realmente tocou em um assunto comportamental sobre o consumo de música que eu tenho visto aqui no Brasil, e como isso tem mudado nos últimos anos.
Músicas online
Por mais que seja normal baixar as músicas dos seus artistas preferidos, é importante lembrar que os mesmos dependem daquelas escutadas e visualizações (principalmente quando são artistas locais e independentes tentando alcançar o reconhecimento). Não basta mais baixar as músicas no pen drive e passar para os seus amigos. É quase a mesma coisa que pedir um álbum físico na faixa (digo, é até pior!). O mundo inteiro, e todas as suas músicas, estão online e são de fácil acesso hoje em dia. Não podemos engavetar os artistas locais com trabalhos independentes; agora mais do que nunca está na hora de fazê-los circular e, se Deus quiser, viralizar.
Sugestões de pauta, críticas, comentários ou elogios? Anote o e-mail e entre em contato!

Por DANIEL FRIEND, guitarrista da banda Os Gringos, pai do Nicolas e colunista do GdM.
[email protected]