O Fórum Estadual Permanente de Educação de Minas Gerais (FEPEMG) está fazendo uma Consulta Pública (clique para acessar) sobre um possível retorno às aulas escolares presenciais e sobre o que não pode faltar na construção de um protocolo sanitário para que isso aconteça. Uma das preocupações é se, em um possível retorno, haverá equipamentos de proteção individual disponíveis para todos os estudantes, professores e funcionários da rede pública que contém 1,7 milhões de alunos.

Circula, entre os sindicatos e entidades de classe, que as aulas no estado de Minas Gerais, poderiam ser retomadas em outubro. A falta de uma previsão também deixa em alerta pais e dirigentes, principalmente, da rede privada. Segundo Zuleica Reis, presidente do Sindicato das Escolas Particulares de Minas Gerais, o governo do estado poderia apresentar uma data, mesmo que com possibilidade de alteração ou então poderia dizer, se essa for a decisão, que as aulas não vão mais voltar este ano. De acordo com ela, o que as escolas precisam é de um posicionamento para se organizarem. Hoje, dia em que se completam cinco meses sem aula, a presidente do sindicato escreveu uma carta, afirmando que as escolas não querem forçar o retorno, o que querem é a realização de discussões propositivas com projeções.

A informação por parte do governo de Minas Gerais foi que está avaliando os meios mais seguros para retomada das atividades presenciais nas instituições de ensino; a Secretaria de Estado de Educação está elaborando um protocolo para o retorno seguro e que a reorganização do calendário letivo também está sendo estudada, seguindo as orientações dos Conselhos Nacional e Estadual de Educação e as diretrizes das legislações vigentes. 

Fonte: https://www.itatiaia.com.br/