Pesquisadores apontam: sua roupa afeta sua performance em teletrabalho.

“Que delícia! Estou trabalhando de casa agora (ou estudando)! Posso pôr a roupa que eu quiser – e, talvez, nem pôr.”
Jogue a primeira pedra quem não pensou assim, nessa vida de videoconferências. São inúmeros os profissionais afetados: da educação, agências, executivos, justiça, saúde, religiosos e tantas outras áreas, além dos estudantes de todos os níveis. Todos se viram forçados a trocar a agenda da correria de lá pra cá, pelas sessões de Google Meet, Teams ou Zoom. Mas, e agora, o que devo vestir? Será que faz diferença?

Em artigo recente do famoso jornal americano, “The Wall Street Journal”, foi apresentada uma pesquisa que mostra dados chocantes. Existe um campo novo de pesquisas chamada “enclothed cognition”, que significaria cognição da roupagem, algo como a psicologia do vestuário. Esse campo estuda o efeito das roupas nas capacidades cognitivas e na produtividade humana. As pesquisas nesse campo começaram em 2012, com o Dr. Adam Galinsky. Voluntários eram vestidos de formas diferentes, e então competiam em testes de atenção. Os grupos de sujeitos que vestiram roupas, que eles achavam ter mais importância, tiveram melhores resultados em todos os testes. Agora, na Columbia Business School, esse professor e outros pesquisadores estão vendo os efeitos da vestimenta no trabalho remoto. Noutra pesquisa citada, de 2015, pessoas que se vestiam mais formalmente para o trabalho apresentaram capacidades mais elevadas de pensamento abstrato e liderança.

Olhando pelo viés da Psicologia Analítica, faz muito sentido o que foi apontado por essas pesquisas americanas “baseadas em evidências”. Da mesma forma que a comida, que não serve somente para encher a barriga – mas é usada para celebrar, reunir, divertir – a roupa não é apenas um abrigo para o corpo. Como tudo na vida humana, a roupa também é simbólica, cultural; é linguagem. Mandamos uma mensagem, para os outros e para nós mesmos, através do que vestimos. Mostramos seriedade ou tranquilidade, importância ou desatenção. Mesmo que inconscientemente.

Então, fica a dica: se quiser ter mais produtividade no seu trabalho em casa, ou no estudo do seu filho, ponha uma roupa à altura. É como se você entrasse no “modo produtivo”. Caso contrário, depois de período tão longo em teletrabalho, corre-se o risco de encontrarmos algumas pessoas se vestindo como náufragos, no fim da pandemia. E a pesquisa aponta também para o contrário: acabou o trabalho de casa, ponha o shorts e as havaianas. Sinalize para seu corpo que já é hora de descansar.

Por MARCELO CUNHA, psicólogo (CRP04/48283), terapeuta familiar, especialista em Psicologia Analítica e membro do Núcleo de Estudos do Sonho da SBPA/SP. Tel.: (35) 99822-7500 | 99100-7060 [email protected]