Exposição virtual e selo personalizado celebram os 300 anos de Minas Gerais

Neste sábado (7), os Correios, em parceria com o Instituto Histórico Geográfico de Minas Gerais (IHGMG), lançam a exposição virtual “300 anos de Minas Gerais: os selos postais e a(s) história(s) de um território”, como parte das comemorações do aniversário do Estado, fundado em 2 de dezembro de 1720.

A mostra vai apresentar os múltiplos aspectos destacados nas emissões postais sobre o território mineiro. As peças serão apresentadas nas redes sociais do Instituto.

Emissões – Os Correios lançaram diversos selos com temas alusivos ao Estado de Minas Gerais, como os 200 anos do município de Ouro Fino (1949); a inauguração da Barragem de Três Marias (1961); o 80º aniversário da Polícia Militar de Minas Gerais, em Lavras, (2012); o centenário da Escola Estadual Fernando Lobo (2017); entre outras.

Este ano, a empresa lançou o selo personalizado em comemoração aos 300 anos do Estado, que já está disponível na loja virtual e nas principais agências dos Correios, por R$ 2,05 cada. A emissão é uma releitura do triângulo vermelho, da bandeira mineira, com uma composição de prismas coloridos e o número 300, em branco.

História – Segundo informações do governo do Estado, o desbravamento na região que hoje compreende Minas Gerais se iniciou no século XVI, por meio do trabalho dos bandeirantes, em busca de ouro e pedras preciosas. Em 1709, foi criada a Capitania de São Paulo e Minas de Ouro, que, em 1720, foi desmembrada em São Paulo e Minas Gerais.

No início do século XVIII, a região tornou-se um importante centro econômico da colônia, com rápido povoamento. No entanto, a produção de ouro começou a cair por volta de 1750, levando Portugal a criar formas cada vez mais rígidas de arrecadação de impostos, o que resultou no mais conhecido movimento político e histórico de Minas Gerais: a Inconfidência Mineira – movimento que inspirou a bandeira do Estado e surgiu com a intenção de romper as relações entre a colônia e a metrópole (Portugal).

O lento avanço da economia do Estado, como o de toda colônia, foi acelerado com o advento da produção e exportação de café. A introdução da cafeicultura em Minas Gerais ocorreu no início do século XIX e logo se transformou na principal atividade da província e no agente indutor do povoamento e desenvolvimento da infraestrutura de transportes. A prosperidade trazida pelo café ensejou um primeiro surto de industrialização, reforçado, mais tarde, pela política protecionista implementada pelo Governo Federal após a Proclamação da República.

As indústrias daí originárias eram de pequeno e médio portes, concentradas, principalmente, nos ramos de produtos alimentícios (laticínios e açúcar), têxteis e siderúrgicos. No setor agrícola, em menor escala, outras culturas se desenvolveram, como o algodão, a cana-de-açúcar e cereais.

Atualmente, Minas Gerais é o segundo Estado mais populoso do Brasil, com mais de mais de 21 milhões de habitantes.