Aplicativo Minha Saúde, que tem a UNIFEI como parceira de desenvolvimento, já é usado em mais de 400 municípios

A pandemia de COVID-19 têm acelerado as pesquisas e o desenvolvimento de ferramentas tecnológicas que auxiliam na prevenção e na identificação de pessoas portadoras do vírus, favorecendo o combate ao coronavírus. Presente em todos os estados do Brasil, o aplicativo “Minha Saúde” já foi baixado por mais de 403 cidades brasileiras (dados de julho/2020) e este número vem crescendo de maneira espontânea, resultado de constantes evoluções e facilidade no uso. Com o app, o cidadão tem em suas mãos, de forma gratuita, suas principais informações de saúde para quando mais precisar, além de obter a indicação de canais de comunicação com os serviços de saúde do município, como telefones de emergência, WhatsApp, localização em mapas das unidades de saúde e notícias sobre a pandemia.

A ferramenta está sendo recomendada pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) e foi desenvolvida pela GovTechLemobs, incubada na COPPE/UFRJ, junto com a HealthTechProntLife. Os professores Melise Maria Veiga de Paula e Adler Diniz de Souza, ambos do Instituto de Matemática e Computação (IMC), a Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI), também colaboraram no desenvolvimento do aplicativo.

O módulo AutoavaliaçãoCoronavírus é o recurso mais utilizado e permite o monitoramento diário de sintomas, registro da temperatura e pressão, indicação de resultados e agendamento de testes da COVID-19. Além disso, a ferramenta integra diversos dados de saúde em um só lugar, como doenças pré-existentes, alergias, tipo sanguíneo, histórico de pressão e temperatura, dados e fotos de identificação pessoal, cartão nacional do Sistema único de Saúde (SUS) e carteirinha de vacinação. Isso permitirá o uso do aplicativo em outras políticas públicas no pós-pandemia como, por exemplo, acompanhamentos de doentes crônicos com hipertensão e diabetes e de mulheres com gravidez de alto risco, dentre outras.

Em Teresópolis, estado do Rio de Janeiro, o aplicativo está sendo usado para identificar casos suspeitos de COVID em funcionários nos estabelecimentos autorizados a retomarem suas atividades. A prefeitura local, por decreto, proíbe a entrada de pessoas que não apresentarem a autodeclaração diária preenchida pelo aplicativo Minha Saúde. Os empresários preenchem o formulário de emissão do Alvará Combate ao COVID-19, a partir da autodeclaração dos funcionários, e devem afixá-lo nas entradas do estabelecimento.

Empresas e municípios que realizam a adesão recebem acesso a painéis de gestão e podem disponibilizar para a população o agendamento online de testes de COVID-19, atendimentos, consultas e exames. É importante ressaltar que os dados são anonimizados, isto é, não identificam as pessoas, e somente a autoridade de saúde local poderá ter acesso a informação, quando consentido pelo cidadão.

Mais informações sobre o aplicativo estão no audiovisual.
Acesse o site do app.
Baixe na Google Play.
Baixe na AppStore.

Fonte: Secom Unifei | www.appminhasaude.com.br