A Família Maduro tem em seu currículo a restauração de duas relíquias da história do automobilismo: um Ford 1929 e um Roadster, da Willys Roverland, de 1926

Quando ouvir falar o sobrenome Maduro, de Itajubá, pode ter certeza que a paixão por carros e antigomobilismo farão parte do assunto. A Família guarda uma relíquia da história do automobilismo no Brasil: um Ford 1929. O pai, João Mauro Maduro, e o filho, Ricardo Maduro, são os responsáveis pela restauração do veículo. “Não restauramos apenas objetos, restauramos a história”, ressalta Ricardo.
O carro chama a atenção por onde passa e é item indispensável em exposições de veículos antigos na região. “Em 1950, meu pai comprou o carro. Eu tinha dez anos e, desde então, nunca mais o veículo saiu da família. Até tirei carteira de habilitação nele”, conta João Mauro.

Profissão
A paixão por carros antigos também foi passada para os filhos e Ricardo fez disso uma profissão. Recentemente, eles terminaram a restauração do carro canadense da marca Roadster, fabricado pela Willys Roverland, em 1926. Um trabalho minucioso que demorou mais de dez anos para ser finalizado.

O início
A história da paixão pelos carros antigos começou quando eles adquiriram o veículo de um dos maiores colecionadores do Brasil, Gabriel Moraes. “Fomos comprar o pára-choques traseiro do Ford e ele nos ofereceu o Willys. Disse que já estava bem cansado e não teria condições de restaurá-lo. Ainda nos alertou que o carro era uma raridade, que não existiam mais peças dele e que teríamos que fabricá-las”, explica Ricardo.
A partir daí foi lançado o desafio, executado com sucesso. O veículo chegou para a restauração apenas com os pára-choques dianteiro e traseiro, e a parte da frente. “Não tinha nem volante. Tivemos que fazer a chamada engenharia reversa. Fabricamos boa parte do veículo, inclusive os parafusos”, ressalta.

Profissão
Os Maduros enfatizam que, diante de todo o trabalho feito, a restauração é bem diferente da reforma. Exige mais tempo e técnica e tudo foi feito na oficina montada na garagem da casa de João Maduro, em Itajubá.
Quando tudo indicava que o trabalho de restauração ficaria restrito aos veículos, um pedido mudou tudo: um ventilador chegou nas mãos de Ricardo. Objeto restaurado, a satisfação do cliente foi imensa e um novo ramo no trabalho teve início para a família. “É muito gratificante restaurar objetos que têm história na vida das pessoas. Ver a alegria deles me motiva muito”, conclui.

Por GUSTAVO CORTEZ | Jornalista, “pai” da Branca e da Tequila (dogs), amante de Itajubá e da Serra da Mantiqueira
[email protected]